Número de casos de Dengue cai em Vilhena, mas situação de alerta continua

f3547975-7682-4e24-b9df-d237fb636567
Casos confirmados da doença em 2018 caíram no comparativo com 2017.
Número de casos de Dengue cai em Vilhena, mas situação de alerta continua (Foto: Divulgação)

Casos confirmados da doença em 2018 caíram no comparativo com 2017.

O número de casos de dengue confirmados em Vilhena caiu no ano passado, é o que informou o Setor de Epidemiologia. Para se ter ideia da redução nos casos da doença no município, de acordo com informações da Epidemiologia, em 2018, das 128 notificações da doença, 11 apresentaram resultado positivo. Já em 2017 foram notificados 193 casos, sendo 17 confirmados.

Apesar da redução no número de casos da dengue a responsável pelo setor de Epidemiologia de Vilhena, Maria Lima Siqueira, alerta que o município continua vivendo uma situação de alerta em relação aos números de casos notificados suspeitos de dengue.

De acordo com Maria Lima Siqueira, é imprescindível que a população entenda a importância no combate ao mosquito Aedes aegypti que é transmissor da dengue, Zica Vírus e Chikungunya. As doenças causadas pelo Aedes nas pessoas podem provocar dores no corpo, mal estar e levar a óbito em casos específicos.

Já a coordenadora da Divisão de Endemias de Vilhena, Edenilce Modesto ressalta que a população deve se atentar para eliminar os focos favoráveis para a criação do mosquito Aedes aegypti. Os ovos do mosquito transmissor necessitam apenas de um pouco de água parada para eclodirem. 

"Estamos trabalhando na prevenção e controle do mosquito Aedes aegypti e para isso contamos com apoio da população que deve manter limpo os quintais", 

disse Edenilce Modesto.

Maria Lima Siqueira ressalta que também é importante que as pessoas que sintam os sintomas da dengue procurem uma unidade de saúde e faça o teste que detecta a doença, pois esse mapeamento do número da doença no município é importante para formulação de políticas públicas de combate a doença em Vilhena.

"Todos juntos podemos lutar contra essa doença", 

finalizou Maria Lima Siqueira.

Veja mais notícias sobre BrasilSaúde.

Veja também: