Em artigo publicado em seu blog Confúcio Moura “detona” o próprio partido do qual faz parte

  Apesar do tom elegante, o texto postado no domingo é extremamente crítico

FOTO: DIlvulgação / Confúcio Moura não fez rodeios para manifestar seu descontentamento com o MDB

 Não é de hoje que o MDB vive um momento de extrema crise de identidade, mas nunca um integrante de destaque da própria legenda foi a público expor o descontentamento que paira entre os integrantes da legenda, revelando um disputa interna que contrapõe gerações. Confúcio Moura, que durante a vida toda militou pela legenda, deixa claro seu desconforto em permanecer no partido, e deixa a entender em seu desabafo a falta de espaço político na agremiação. Analistas políticos acreditam que o veterano está praticamente fora do partido, mas ainda não se decidiu onde vai se alojar.

Com estilo rebuscado e criativo, Moura traça um paralelo entre o passado e o presente de forma comparativa, deixando claro sua discordância com a conduta atual da legenda. A crítica é direcionada tanto em âmbito nacional quanto regional, com o ex-governador lamentando as dissidências que o MDB vem sofrendo nos últimos tempos em virtude de sua desagregação interna. Ele bate forte no que considera "autoritarismo" interno de grupos dirigentes, e faz criando trocadilho com o nome do próprio partido ressaltando que é preciso ser mais "democrático", citando suposto "travamento" interno.

A repercussão do artigo foi enorme em Rondônia, sendo o texto citado em várias colunas de política da imprensa local. Mas um homem da inteligência e capacidade estratégia de Confúcio certamente se antecipou a isso, e se decidiu por tamanha exposição é possível que suas palavras possam ser o "canto de cisne" de sua trajetória de décadas no MDB.

Confira abaixo o texto na íntegra:

Mandabrasa – MDB

MDB – (Movimento Democrático Brasileiro) – Ahhh! … que bom fosse, ainda, o bipartidarismo no Brasil (MDB e ARENA), como no tempo de antanho, ditadura, coisa e tal. Mas infelizmente, não estamos lá no tempo de antanho;

MDB (Movimento Democrático …) – agora!!! É, o outro tempo, o que foi seu sonho, chegou: – a democracia, e o "mandabrasa", não sabe mais se exercer, na democracia, quer ficar lá atrás, encafifado na lembrança, e….

MDB (Movimento…) que já foi partido fica, hoje em dia, em movimento. Ao sabor do vento, se escondendo numa saudade absurda: de tancredos, vilelas e ulisses;

??? (_Ovimento) – dias atrás, em Goiás, expulsou dois queridos prefeitos, o de Rio Verde e o de Catalão. Porque eles, de boa fé, não mais quiserem seguir trincas passadistas, nas eleições pretéritas;

M_ (_ Brasileiro) – por aqui, nosso Estado (Rondônia), vem vindo cansado, na mesma toada. Que nem fosse um carro-de-boi, com três juntas pareadas, encangadas. Carregado de antiguidades, como algumas brotações de mudas vegetando, espremidas aqui e ali;

(_ Democrático _) Seria isto mesmo?Democrático, de se ouvir os outros tempos. Cada tempo no seu tempo, na sua geração, no seu momento? Era para ser assim. E o velho "mandabrasa" fica, ainda, lá atrás. Bem naquilo que se costuma dizer – velha política. Aqui é o travamento;

(_ crático _) – Saudades dos outros tempos. Confesso, só saudades. Saudades! Foram saindo: Thiago Flores e agora, Armando (Seringueiras), Chiquinho da Emater, Rosângela Donadon, Ezequiel Neiva. Os três últimos precisavam ganhar as eleições para Deputado. Ganharam. Mas, em outros times. Salvaram-se. "Chega de saudade" - João Gilberto, eu me lembro muito bem;

MdBmDbBdmdMb (sopa de letrinhas) – Redes sociais batem à porta de cada um, fakes ou verdades. Batem e dizem diretamente, mudou o jeito democrático de ser. Voltou a ser como na Grécia antiga, democracia direta, quando se deve ajustar a vida política a uma população indignada, que não é situação e não é oposição, nem esquerda e nem direita, que é indignação;

MDB (que pode ser tudo que quiser aqui, entre aspas) – bem que poderia puxar o seu jeito velho, para ser moderno, para ser Século XXI, abrindo suas porteiras para as novas gerações, para quem quiser entrar. Se deixar fluir, instruir, para, pelo menos, dar exemplo de ser menos cartorial, paroquial, feudal, patrimonial, coloquial, confessional;

Move demo tupiniquim – assim vão nossos partidos políticos. Raríssimos têm algumas razões que se justifiquem. No mais, além da idade, novos e antigos, vão se engolindo, sutilmente, como cobras que engolem rabos. E vão indo. Sem razões e sem discursos. O nosso MDB até que mudou. Por derradeiro, tirou o "P", que já foi uma extraordinária mudança. E perdendo "pedaços" e letras poderá se regenerar. Quem sabe ser menos Patrimonial e mais Democrático.

É só, por este domingo.

(Confúcio Moura)

Veja mais notícias sobre Política.

Veja também: