Cadastramento biométrico é encerrado em Rondônia com 97% de eleitores aptos

Eleitores que não fizeram o cadastro terão os títulos cancelados. Biometria passa a ser obrigatória em todos os estados do Brasil a partir de 2020. 

O cadastramento biométrico foi encerrado em Rondônia com mais de 1,13 milhão de eleitores aptos a votarem na próxima eleição, o equivalente a 97,19% de todo o eleitorado do estado. Quem não passou pelo processo de cadastro da biometria terá o título de eleitor cancelado.

Segundo o Tribunal Regional Eleitoral do estado (TRE-RO), os trabalhos tiveram início em 2008 e encerraram no dia 27 de setembro de 2019. Só este ano a revisão biométrica foi realizada em 16 municípios de Rondônia, com quase 160 mil eleitores revisados.

O processo de cadastro foi dividido em quatro etapas: coleta das impressões digitais registro fotográfico assinatura digital e revisão ou inserção dos dados no Cadastro Nacional de Eleitores.

A partir de 2020, a biometria passa a ser obrigatória em todos os estados do Brasil e quem ainda não se regularizou deve ter o título de eleitor cancelado. Para resolver a situação basta ir até uma unidade da Justiça Eleitoral portando documento de identificação com foto e comprovante de residência.

O que é o cadastramento?

A biometria usa as impressões digitais para identificar o cidadão. O objetivo é ter mais segurança e evitar fraudes. No Brasil, a emissão de passaporte, de carteiras de identidade e o cadastro das Polícias Civil e Federal contam com sistemas biométricos.

A coleta das digitais dura poucos segundos. Além disso, é tirada uma fotografia e cadastrada a assinatura digitalizada. Para fazer o cadastro, basta levar documento oficial de identificação e comprovante de residência atualizado. Para o primeiro alistamento, homens devem comprovar também a regularidade com o serviço militar.

O que acontece se seu título for cancelado:
Não poderá votar
Não poderá solicitar passaporte, carteira de identidade ou qualquer outro documento que necessite da certidão de quitação eleitoral
Não poderá se inscrever em concursos públicos ou tomar posse em cargo ou função pública
Não poderá receber salário ou qualquer outra remuneração de emprego ou função pública
Não poderá participar de concorrência pública ou administrativa em qualquer autarquia da União, dos estados, dos municípios ou do Distrito Federal
Não poderá pedir empréstimos em banco ou estabelecimento de crédito mantido pelo governo
Não poderá renovar ou fazer matrícula em estabelecimentos de ensino público
Fonte: G1 RO 

Veja mais notícias sobre GeralPolíticaCidades.

Veja também: