Bolsonaro reconhece erro sobre falso relatório de mortes por covid-19

Presidente falou após TCU ter negado documento de que "50% dos óbitos não foram por covid". 

O presidente Jair Bolsonaro | Foto: Anderson Riedel/PR

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) reconheceu que errou ao dizer que havia um relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) que apontava um suposto exagero no número de mortes por covid pelos estados no ano passado. Em conversa com apoiadores na portaria do Palácio da Alvorada, nesta 3ª feira (8.jun), Bolsonaro afirmou que, na verdade, há um entendimento do Tribunal de que repasses financeiros do Governo Federal aos Estados não poderiam levar em consideração o número de mortes pelo vírus, sob pena de provocar um aumento proposital das notificações.

"O TCU tá certo. Eu errei quando falei tabela. O certo é acórdão. O que acontece? Tem uma Lei Complementar do ano passado que diz que a distribuição de verbas do governo federal para estados levava-se em conta alguns critérios: o mais importante? A incidência de Covid. E o próprio TCU dizia o que? Que essa Lei Complementar poderia incentivar uma prática não desejável da ?supernotificação? de Covid para Estado ter mais recurso. A tabela quem fez fui eu, não foi o TCU. Então, o TCU acertou em falar que a tabela não é deles", explicou Bolsonaro.

A declaração foi dada um dia após o presidente ter dito que mostraria um relatório do TCU que acusava Estados por exagero nas mortes de Covid, em 2020. A fala de Bolsonaro também foi dirigida a apoiadores, mas desmentida pelo Tribunal horas depois, por meio de nota que esclareceu: "não há informações em relatórios do Tribunal que apontem que ?em torno de 50% dos óbitos por Covid no ano passado não foram por Covid"

Após reconhecer o erro, Bolsonaro negou ter sido desmentido pelo TCU. "A imprensa usa pra falar que fui desmentido, mas não tem problema. O que acontece? Se vocês olharem a tabela oficial de mortes de 2015 pra cá, ano após ano sobe o número mortes em relação ao ano anterior, 5, 7, 8% varia por aí. Se você tirar o número de mortes por Covid no ano passado, mais ou menos 200 mil, de 2019 pra 2020 não teríamos um crescimento no número de mortos. Seria um crescimento negativo. Então, isso leva a um indício enorme no sentido de que houve sim ?supernotificação? pela prática indesejável, apontada por acórdão do TCU, que isso poderia acontecer pra governadores conseguirem mais recurso", tentou justificar.

Em contradição com o que o próprio presidente disse antes, o posicionamento do TCU se refere apenas a um posicionamento sobre uma Lei Complementar, recomendando que o repasse de recursos do Governo Federal não levasse em conta apenas o número de mortes por Covid, sendo que as demais conclusões apontadas pelo presidente não constam em nenhum documento apresentado pelo Tribunal.

Mesmo diante dos fatos apresentados pelo TCU, Bolsonaro disse que vai acionar a Controladoria Geral da União (CGU) e Advocacia Geral da União (AGU) pra que apurem o que ele qualificou como fortes indícios de aumento proposital do número de mortes, por parte dos Estados, para o recebimento de mais verbas do Governo Federal.

O Tribunal de Contas da União foi procurado pelo SBT News para se manifestar sobre as novas declarações do presidente, mas não deu retorno até a conclusão deste texto.

Fonte: SBTNEWS 

Veja mais notícias sobre Brasil.

Veja também:

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.ronoticias.com.br/